O Kashima Antlers, temido por já ter arrastado oito vezes o titulo da liga de futebol no Japão amargou na madrugada de sábado para domingo a segunda colocação reconhecendo a conquista inédita do Kawasaki Frontale,que somente na ultima rodada conseguiu a liderança por conta do salto de gols positivos.

 

 

E o Brasil foi bem representado nesta conquista, pois o Frontale contava com quatro brasileiros no seu elenco que fizeram a diferença. Elsinho, Eduardo Neto, o Rhayner e Eduardo, com destaque para o Rondoniense Elsinho que marcou 5 gols durante o campeonato.Vale lembrar que o jogador atua como lateral no time.

Frontale e Antlers terminaram empatados com 72 pontos, mas o Golfinho levou vantagem por ter um saldo de gols maior (39×22). Apesar de confronto direto não ser critério de desempate, vale lembrar que o Kawasaki arrasou o Kashima nos dois turnos, com um 3×0 em Ibaraki e um 3×1 no Todoroki. De qualquer forma, duas campanhas dignas de título. Nas dez temporadas anteriores com pontos corridos, seis vezes o campeão fez menos de 70 pontos.

O Kawasaki finalmente superou o trauma de ser sempre vice, e logo contra seu maior carrasco, o Kashima. Havia terminado em segundo na J-League em 2006, 2008 e 2009, além de quatro medalhas de prata na Copa da Liga (2000, 2007, 2009 e 2017) e uma na Copa do Imperador (2016).

Conseguiu seu primeiro título logo na situação mais complicada, em que não dependia apenas de suas próprias forças e as chances pareciam mínimas. Não tendo nada a perder, o time correspondeu e lutou até o final. Jogou toda a pressão em cima do Antlers, que sucumbiu.

Eduardo Neto, titular da ultima rodada declarou que encerrar a temporada com esse titulo foi fantástico e que ficará na memória para sempre “Nossa reta final de competição foi perfeita. Não deixamos de acreditar no título, que ficará marcado na história do clube. Essa conquista é consequência do ótimo trabalho que estamos realizando desde o início do ano. Estão todos de parabéns.

Para o jogador Elsinho o titulo representa muito para a sua carreira que a cada ano tem só crescido e que certamente já está sendo projetada para o próximo ano com inúmeras surpresas, conforme tem afirmado, por onde passa, seu pai Eudes do Ipanema, bairro de onde saiu o craque.

Fonte: Jean Richardson